sábado, 21 de janeiro de 2017

JACK BARLEY - CERVEJA DE GARAGEM

Ultimamente tenho experimentado muitos rótulos caseiros e na maioria dos casos encontrado ótimas cervejas. A Jack Barley é feita em Ubá (por um companheiro cervejeiro que ainda não conheço), mas com a crescente em que estamos isso é questão de tempo.

 APA Maracujá


Graduação Alcoólica: 5,00% vol
Tipo: APA
Volume: 330ml
Cerveja de coloração amarelo escuro, turva. Creme branco de boa formação e duração. Corpo leve, cítrico com lúpulo bem inserido e o maracujá aparece no final. No aroma o maracujá é intenso e contrasta bem com as notas cítricas. O único ponto negativo foi que ao abrir a garrafa perdi quase metade da cerveja. Ela esguichou como uma garrafa de champanhe, fenômeno esse que é conhecido como gushing e normalmente ocorre por contaminação. Fora isso a cerveja esta demais.

Brown Porter


Graduação Alcoólica: 6,80% vol
Tipo: Brown Porter
Volume: 500ml
Cerveja de coloração marrom avermelhado, com creme bege de boa formação mas que baixou muito rápido. No aroma, é perceptível as notas de malte torrado e lúpulo mas em contrapartida havia um aroma excessivo álcool, que deixou a cerveja desequilibrada. No sabor o álcool também chegou a incomodar, pois está sobrepondo os outros sabores. Não sei se dei algum azar e pretendo encontrar com o cervejeiro para conversarmos sobre a receita.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

TÉNÉRÉ - TROCA DO KIT DE TRANSMISSÃO

Tinha um tempo que estava andando com a relação nas últimas. Até viajei no final de ano com certo receio, mas acabei deixando pra fazer a troca depois. Até o momento rodei pouco mais de 35.000 quilômetros na Ténéré totalizando quase 64.000 e tudo isso com a corrente e coroa originais. A única peça que troquei foi o pinhão, quando a moto estava com 42.000 quilômetros por desgaste natural. Isso mostra que se for feita limpeza e lubrificação da maneira correta, um kit pode ter uma ótima durabilidade.

O pinhão da Vaz que havia colocado teve um bom desempenho, mas cheguei ao seu limite. A corrente já não estava legal e a coroa até que ainda poderia rodar mais um pouco.


No kit novo, optei por colocar a coroa e pinhão da Vaz e corrente com retentor da KMC. O kit original usa coroa e pinhão da Riffel e corrente da D.I.D. japonesa. Andei lendo em alguns fóruns que as correntes da D.I.D. vendidas aqui no Brasil não possuem a mesma qualidade e como os meus conhecidos que fazem trilha falam muito bem da KMC resolvi experimentar. Afinal, se aguenta trilha tem que aguentar o barbudo aqui né.



Como sempre tenho colocado os preços das peças aqui lá vai:
- Coroa e pinhão (Vaz): R$140,00
- Corrente c/ retentor (KMC): R$175,00

Fiz a troca, fui dar uma volta e que diferença, viu. Parecia outra moto. Agora é manter os cuidados com limpeza e lubrificação e me preocupar com isso só daqui alguns milhares de quilômetros.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

ROSÁRIO DA LIMEIRA-MG / IRACAMBI RESEARCH CENTER

Quem acompanha o blog há algum tempo sabe o quanto eu costumo fazer uns rolês por cidades vizinhas e principalmente pegar estradas de terra desconhecidas. Pouco mais de um ano atrás, tinha passado por um cidade e vi uma placa de um núcleo de turismo, que na verdade é um centro de pesquisa com foco na mata atlântica, mas acabei deixando pra outro dia. Para saber mais sobre a história de como a fazenda se tornou um centro de pesquisa é só clicar aqui.

No final do ano passado após toda a correria com TCC e no trabalho, consegui um final de semana livre e pensando no que fazer lembrei da tal placa. Acordei e peguei a motoca rumo a Rosário da Limeira.


No caminho tem a cachoeira de Ervália, que é legal apesar de ter que pagar R$5,00 pra entrar. Mas a comida lá é boa e o preço muito (mas muito mesmo) camarada.


Chegando em Rosário é só seguir as plaquinhas e até o centro. E não fique confuso, pois essa placa está correta. O caminho da direita é o mais simples e o da esquerda é com um pouquinho de aventura, mas só descobri isso depois. Quando cheguei na placa entrei em loop.


Seguindo o caminho da esquerda na ida, acabei entrando em uma estrada lateral e encontrei uma casa que está dentro da propriedade da Fazenda Iracambi. Assim que cheguei na porta dei de cara com essa meninão aqui. O Toffee estava vigiando a propriedade, mas foi super dócil. A moça que estava com ele para a minha surpresa era americana e não fala (ou falava) nadinha em português e como meu inglês é uma maravilha, foi um pouco difícil pra me entender com ela, mas no final das contas conseguimos nos entender.


Uma parte legal da conversa (se é que pode ser chamado de conversa), ela disse algo desse tipo:

You must go down the road and after the river you will find the center

E na hora eu pensei, "ah, beleza! Depois do rio eu acho o centro". De certa forma eu tinha entendido corretamente, mas o que eu não esperava era ter que atravessar com a moto. Lógico que eu fiquei super feliz quando vi aquela belezura me esperando pra acelerar com tudo. E pra quem está imaginando isso, o rio tem no máximo uns 4 metros de largura e a altura da água ficou um pouco acima do centro das rodas, então não é nenhum bicho de sete cabeças.


O centro conta com a ajuda de voluntários do mundo todo e faz um trabalho de reflorestamento na região. Além disso é possível fazer algumas trilhas dentro da mata, mas no dia que fui acabou não rolando pois assim que cheguei começou a chover muito e quando parou já estava próximo da hora de ir embora. Infelizmente (ou felizmente) ficou para outro dia.





E para quem pretende passar o dia lá, pode ficar tranquilo. Tem restaurante com comida mineira e uma galera super receptiva. Espero voltar o quanto antes e para quem nunca foi, se quiser combinar eu quase nunca rejeito um rolê.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

KRUG BIER - TIANASTÁCIA

Mais um rótulo da Krug Bier em homenagem a outra banda mineira. A Tianastácia (que eu não acho tão fodástica quanto o Skank, mas é só a minha opinião) também participou do processo de produção e elaboração.


Graduação Alcoólica: 4,90% vol
Tipo: Golden Ale
Volume: 500ml
Cerveja de coloração alaranjada e opaca com creme branco de boa formação e duração. No aroma, apresenta notas herbais e maltadas. Sabor maltado com notas cítricas e amargor bem inserido.